Receba atualizações no seu Facebook. Basta curtir a nossa página abaixo:

 

‘Battle Supremacy’ Review



Any iOS gamer worth their salt has probably heard of the Sky Gamblers series. Developer Atypical Games (makers of Cold War [$4.99] and Storm Raiders [$4.99]) has already demonstrated a penchant for good air combat titles and with their recently released Battle Supremacy [$4.99], Atypical has taken the fight to the ground with a World War II-era tank combat system. It’s a pretty good transition to the ground war and makes for a visually impressive, enjoyable action-packed game.

Focusing on the second World War, Battle Supremacy’s campaign is divided into three different theaters: Pacific, French and Russian. Each theater has several missions which all include multi-tiered objective that typically involve holding/defending an objective or advancing on a target. While the vast majority of the campaign exclusively features tank battles, a few missions also include boat and plane combat. Strangely enough, I enjoyed the missions that brought some variety in terms of vehicles and wished more included them. Supremacy’s campaign isn’t too long, but a variety of team-based modes against AI opponents add to the game’s replay ability and provide additional avenues to accumulate upgrade points. The game even tosses in a free roam mode that lets you explore the game’s large maps while experimenting with vehicles.

IMG_2029

IMG_2029

The gameplay, meanwhile, is straight-up tank combat with a robust leveling system built in. Finishing a level awards upgrade points which are used to level up (which unlocks newer tanks) and increase a variety of attributes ranging from armor and guns to radar and speed. Upgrades quickly become expensive, meaning that players might want to think about which tank is their vehicle of choice before pouring upgrade points into it. It’s a good, relatively simple system that focuses more on shooting and less on the consequences of getting hit.

Battle Supremacy isn’t nearly as complex as the Sky Gamblers’ series, but I think this makes it more approachable. The tank controls actually work well enough even on the iPhone’s small screen and options such as auto-aim shoulder some of the shortcomings. One side effect of Supremacy’s ‘simpler’ gameplay is the fact that the tank battles almost become a little monotonous in terms of moving and gunning. I also noticed that the various tanks you can unlock also play pretty similarly. However, the game’s multiplayer goes a long way towards adding some variety.

IMG_2027

IMG_2027

Battle Supremacy’s decent campaign and impressive list of single player modes would have been good enough on its own, but I really enjoy what its online multiplayer has to offer. From a  gameplay standpoint, Supremacy’s multiplayer doesn’t offer anything you don’t see in the single player modes, but 6 v 6 team play combined with large maps, little lag and human opponents make it infinitely more satisfying. Multiplayer simply adds a lot of depth that is absent while playing with the AI. One issue I noted concerns multiplayer balance as it seems like newbies can get matched up with experienced players that have upgraded tanks. It’s a bit frustrating but it’s not as easy for one overpowered player to take over a match like it is in other games. There’s also no IAP to be found, so each player you see online had to earn their way to the tanks they use.

As is the with other Atypical titles, Battle Supremacy is no slouch when it comes to the graphics department. Boasting a visual engine that not only looks great but also includes some great touches like a (mostly) destructible environment and some cool weather effects. This actually has the potential to impact the game as opponents have a tendency to snipe amongst trees or behind walls, forcing opponents to clear the area if they want a clean shot (or serve as an early warning if you see a swath of trees come crashing down near you). A shortfall with the graphics is the presence of stuttering and a low framerate even on current generation hardware.

IMG_2028

IMG_2028

With a laundry list of good modes, great visuals and a pretty decent upgrade and combat system, Battle Supremacy is simply a fun title for anyone remotely interested in tank combat. As noted above, there are a few areas for improvement, but I don’t think they detract ftoo much overall. Simply put, I highly recommend that folks pick it up.

Publicado por: TouchArcade - Continue lendo: http://toucharcade.com/feed/

Tags:

Você pode comprar no DealExtreme pagando em boleto bancário

Antes tarde do que nunca, certo? A DealExtreme anunciou há alguns dias que passou a aceitar pagamentos em boleto bancário; antes, você precisava usar cartão de crédito internacional. Para divulgar a mudança, eles estão dando 5% de desconto e sorteando pessoas para oferecer pedidos de graça.

Todo mundo que pagar por boleto leva 5% de desconto; parece pouco, mas os produtos do DealExtreme já são muito baratos, e ainda têm frete grátis para o Brasil (e todo o mundo).

E todo dia, a empresa escolhe três sortudos que pagaram no boleto para lhes oferecer o pedido “de graça”. Na verdade, você paga por ele e recebe crédito no mesmo valor para sua próxima compra. Os vencedores são notificados via e-mail.

O desconto e o sorteio só valem até o dia 26 de janeiro. Saiba mais aqui: [DealExtreme via Código Fonte]

  • DESTAQUES
  • RELACIONADOS
  • POPULARES


GVT Music Live Show Cazuza

A tecnologia fantasmagórica do show de Cazuza convence — mas não, não pode ser chamada de holografia


9W8C1189

David Baker: “Ninguém precisa abandonar a tecnologia, mas é necessário experimentar momentos de desconexão”


ku-xlarge-1

30 anos depois, o primeiro delator da NSA conta todos os detalhes de sua história


L1030476

Registrando o encontro entre Banksy e Osgemeos, em Nova York


Compras online

Os 275 sites de compras no Brasil que você deve evitar, segundo o Procon


Hewlett-Packard

HP Brasil abre 400 vagas, hora de atualizar o currículo


Made in Brazil Ministério Público Federal entra com ação contra novo padrão de tomadas


underseacable

Clientes do Net Virtua sofrem com lentidão devido a ruptura de cabo submarino


Sabe os códigos de programação que aparecem nos filmes? Eis o que eles significam

Sabe os códigos de programação que aparecem nos filmes? Eis o que eles significam


Foi aberta nos Estados Unidos a primeira biblioteca pública que não tem livros físicos

Foi aberta nos Estados Unidos a primeira biblioteca pública que não tem livros físicos


Fotos espetaculares da maior caverna do mundo fazem humanos parecerem minúsculos

Fotos espetaculares da maior caverna do mundo fazem humanos parecerem minúsculos


Japonês aposentado transformou o Microsoft Excel em uma ferramenta para criar arte

Japonês aposentado transformou o Microsoft Excel em uma ferramenta para criar arte

Publicado por: Gizmodo - Continue lendo: izmoizmododohttp://feeds.feedburner.com/gizmodobr

Tags: , ,

‘Line Knight Fortix’ Review



Qix has been around for a long time — since 1981 to be exact. The objective is simple, to “claim” different areas of the screen by way of connecting lines, similar to JezzBall — a game everyone with a Windows PC has probably played. Years later Fortix rose to the challenge, mixing elements of medieval warfare along with it. Now, you can grab it on iOS in the form of Line Knight Fortix [$0.99].

Line Knight Fortix is the tale of the good hero Fortix, and his quest to vanquish the threat of the wizard Xitrof from the land of Artalom. You’ll do this by — drawing lines. Like Qix, all you have to do is capture certain areas of the board. But instead of faceless vacuums, you’ll have to divide and conquer certain areas of a kingdom, complete with orcs, dragons, and enemy fortresses constantly in your way.

To accomplish this, you’ll use swipe gestures to move Fortix around, gobbling up pieces as you go. The controls are very finicky and overly-sensitive, but you’ll get used to them after roughly half an hour of play, and compensate accordingly. It helps that you don’t have to hold your finger exactly on the knight, and can move him around on a macro level. If you’re playing it on anything other than an iPad, it’s tough to figure out exactly what’s going on. It isn’t that your hero is hard to find necessarily, it’s that all of the little bullets flying about are very hard to keep track of.

Fortix2Fortix2

At first, I was utterly confused as to what was happening. Although the game does a great job explaining the concept of walking about in lines to “capture” pieces of the game board, I found myself dying quite often from seemingly random factors. It was tough to judge what was part of the background and what was an enemy, and as a result, I had many frustrating early runs. Eventually I realized that bullets and enemies were hitting my line, causing a starburst to fly out from behind and take me out. So you not only have to avoid direct contact with your hero, you have to watch your line as well, as it’s an extension of you.

You’ll have some help when grabbing areas, as capturing idle cannons throughout the board will help attack enemy fortifications. It’s all automatic, but it’s a cool feature nonetheless to make you feel like you’re actually in a war zone rather than a low-key puzzle game. Power-ups like speed boosts also add an arcade feel to it, making you more of an active participant in the proceedings — as well as mini-quests like grabbing keys to unlock specific doors.

Although the levels look far too similar, the layouts change frequently, forcing you to deal with different types of enemies like dragons who fly around the entire screen (and bone dragons who can home in on you), and ground troops that patrol smaller areas. When you add that to all of the bullets flying around you, things can get intense — but to a point, since you’ll see everything there is to offer sooner than later.

There’s a decent amount of content with 45 levels in tow, but there’s no leaderboard support to speak of so you might end up getting bored sooner than later — especially if you breeze past the moderately challenging mid-game stages. A lot more content would have been a blessing, especially with a larger locale variety and more of an effort to make it feel like an “epic quest” rather than a collection of new boards.

Line Knight Fortix can be an ordeal for quite a while after you start your adventure and try to figure it out, but if you stick with it, you’ll pick it up before you know it. The controls definitely need some work, but for those of you who have grown up on challenging action puzzle games, you should feel right at home. With a few tweaks and added support for leaderboards, the mobile version of Fortix would be a much stronger package.

Publicado por: TouchArcade - Continue lendo: http://toucharcade.com/feed/

Tags:

Este metamaterial incrível consegue realizar cálculos matemáticos

Na última vez que vimos metamateriais, eles estavam nos ajudando a criar capas de invisibilidade reais. Mas, em notícias ainda mais animadoras para nerds, metamateriais que desviam luz podem também aprender matemática. Não apenas matemática simples, e sim cálculos complexos.

Metamateriais são materiais artificiais que desviam a luz de maneiras estranhas e não-naturais. Cientistas elaboraram um metamaterial teórico que, essencialmente, realiza cálculos matemáticos instantaneamente conforme a luz passa por ele. O material, feito de camadas ultrafinas de óxido de zinco dopado com alumínio e silício, foi descrito na edição desta semana da Science.

A luz sempre se desvia quando passa por algo – pense em um lápis mergulhado na água – mas este metamaterial desvia as ondas de luz de uma maneira previsível e útil. Ao mexer na espessura do óxido de zinco e nas camadas de silício, os pesquisadores criaram um metamaterial cuja saída das ondas de luz coincide com a onda de luz derivada por onde a onda de luz passou. Tomar a derivada é uma das peças fundamentais de cálculos.

ku-xlarge (1)

O trabalho da equipe é baseado em cálculos de propriedades conhecidas, então ainda é puramente teórico. Mas, se eles conseguirem fazer funcionar, eles podem usá-lo em computação. O metamaterial poderia, por exemplo, ser usado para detecção de bordas em fotografias do horizonte de Austin. Seria bem mais rápido do que a computação tradicional, que precisa codificar as fotografias em 0 e 1 de início.

Capas de invisibilidade animam qualquer pessoa, mas é bastante extraordinário pensar que, um dia, algumas placas ao nosso redor poderão ser supercomputadores capazes de realizar cálculos matemáticos com uma piscada de luz. [Science via Science NewsArs Technica]

Foto via Alexandre Silva, Universidade da Pensilvânia

  • DESTAQUES
  • RELACIONADOS
  • POPULARES


GVT Music Live Show Cazuza

A tecnologia fantasmagórica do show de Cazuza convence — mas não, não pode ser chamada de holografia


9W8C1189

David Baker: “Ninguém precisa abandonar a tecnologia, mas é necessário experimentar momentos de desconexão”


ku-xlarge-1

30 anos depois, o primeiro delator da NSA conta todos os detalhes de sua história


L1030476

Registrando o encontro entre Banksy e Osgemeos, em Nova York


sounds-of-silence

O que é isto?


Bateria

Matemática pode fazer suas baterias carregarem duas vezes mais rápido


original (4)

Qual a altura máxima possível para uma torre de Lego?


Calculadora X-Cool é tortura pura


Por que uma marca de cerveja quer que você beba menos?

Por que uma marca de cerveja quer que você beba menos?


Sabe os códigos de programação que aparecem nos filmes? Eis o que eles significam

Sabe os códigos de programação que aparecem nos filmes? Eis o que eles significam


Foi aberta nos Estados Unidos a primeira biblioteca pública que não tem livros físicos

Foi aberta nos Estados Unidos a primeira biblioteca pública que não tem livros físicos


Fotos espetaculares da maior caverna do mundo fazem humanos parecerem minúsculos

Fotos espetaculares da maior caverna do mundo fazem humanos parecerem minúsculos

Publicado por: Gizmodo - Continue lendo: izmoizmododohttp://feeds.feedburner.com/gizmodobr

Tags: , ,

Tearaway

A Media Molecule é craque em fazer jogos de plataforma. Em 2008, a produtora inglesa já havia demonstrado grande talento quando iniciou a franquia “LittleBigPlanet“. “Tearaway” é a nova aposta da empresa no gênero e, sem exageros, este é um dos melhores jogos exclusivos disponíveis no Playstation Vita. A aventura, além de ser bem divertida, traz personagens cativantes e uma jogabilidade que abusa dos recursos do portátil de forma bastante inovadora e criativa. Os gráficos apresentam um mundo colorido feito todo de papel e a incrível trilha sonora é perfeita para se sentir cada vez mais imerso na experiência. Leia a análise do game, abaixo. 

Enredo e Jogabilidade

A história de “Tearaway” é bem simples, mas é contada de uma forma bastante única. Este é um dos raros casos no gênero em que o enredo realmente importa e tem total ligação com as dinâmicas do gameplay. No controle do envelope Iota (ou Atoi, dependendo do gênero do personagem escolhido – macho ou fêmea), sua missão é entregar uma mensagem importantíssima a Você, o Sol, que recebe a estampa do seu rosto assim que a partida começa. A imagem é capturada com a câmera frontal do PS Vita e logo você mesmo está dentro do jogo e interagindo com o que aparecer pela frente, se envolvendo cada vez mais com a aventura com o passar das fases. 

Como o Sol, o jogador é uma espécie de entidade do outro mundo (a nossa realidade) e, no papel do Mensageiro, é sempre motivado pela astuta narradora a continuar explorando os cenários e a ser determinado em alcançar o seu objetivo de entregar a mensagem, sem nem mesmo ter ideia do que está escrito dentro do envelope. Enquanto isso, vai ajudando inconscientemente a recompor o belo mundo de papel do game e passa a conhecer personagens que, mesmo se comunicando através de um idioma próprio do universo do jogo, são bem carismáticos e envolventes. 

A jogabilidade é um dos pontos mais altos de “Tearaway”. Tudo é bastante fluido, preciso e interativo, do jeito que deve ser em um jogo desse gênero. No começo, como acontece em qualquer outro jogo de plataforma 3D, é preciso correr, alcançar novas plataformas, encontrar áreas escondidas e ir coletando os itens (confetes, a moeda do jogo) pelos cenários para progredir. Alguns minutos adentro, já bastante imerso na aventura, você aprende a primeira habilidade, o pulo simples, sendo que outras são destravadas aos longo das 14  fases do game, como o rolamento, muito útil para transpor barreiras, e uma sanfona que assopra ou suga o vento, perfeita para acionar manivelas giratórias.  

A mágica acontece mesmo quando se começa a usar o touchpad traseiro do portátil. Apoiando os dedos nele, dedos gigantes virtuais aparecem na tela rasgando algumas superfícies, permitindo você derrotar inimigos, mover plataformas para abrir caminhos e resolver quebra-cabeças em geral. Batendo no touchpad, seu personagem pula mais alto com o impulso de tambores, algo que ajuda bastante a encontrar áreas secretas e coletar itens ocultos. Aliás, quem quiser encontrar todos os colecionáveis, vai ter que ficar de olhos bem abertos, pois alguns deles estão em locais improváveis de descobrir. Mas não se preocupe, a maioria deles têm localização de fácil alcance.  

 

 

 

 

Usando as funções de toque na tela do PS Vita, pode-se desdobrar enfeites, abrir caixas de papelão, arrastar paredes de papel, puxar objetos e girar e locomover plataformas, que também podem ser deslocadas para diferentes direções se você inclinar o portátil. Além disso, alguns objetivos pedem que você crie desenhos, recorte-os e cole-os nos personagens. Como cada jogador tem o seu jeito próprio de imaginar objetos com cores e designs distintos, a aventura assume uma identidade única para cada um, sendo essa uma das atrações mais autênticas do título. Iota ainda pode ser decorado da maneira como quiser, ao preço de alguns itens comprados com os confetes acumulados.      

Gráficos e Áudio

Os gráficos de “Tearaway” são absolutamente incríveis. A proposta aqui é ir no sentido contrário ao do visual realista. Sendo assim, a direção de arte do jogo instantaneamente transporta o jogador para um vasto mundo fantasioso feito com papeis de várias cores e tamanhos. Todos os ambientes, personagens e elementos que compõem os cenários, como vegetação, água, vento, animais e construções, são montadas com texturas bem características deste tipo de material. É revigorante ficar admirando a paisagem e perceber o grande capricho nos mínimos detalhes da produção.    

Toda a parte sonora está impecável. A começar pela trilha, muito marcante, tocante e combina com absolutamente todos os momentos da jogatina, dos mais serenos aos mais animados. As melodias são daquele tipo que ficam na cabeça por algum tempo e, depois de terminar a aventura, você faz questão de procurar pelas músicas só para curtir e ficar relembrando os momentos inesquecíveis. Os efeitos acompanham essa magnitude com barulhos de recorte, papel amassado, rasgos e colagens bem característicos, ajudando bastante na imersão. Não tem como não se envolver.  

Conclusão

“Tearaway” é um dos melhores jogos exclusivos disponíveis no Playstation Vita. Praticamente tudo no game funciona de forma bastante harmoniosa e dinâmica, desde a sua participação dupla como o Sol e o Mensageiro na aventura, a jogabilidade interativa e inovadora, os gráficos fantasiosos todos feitos de papel e a trilha sonora espetacular. Esse é um daqueles tipo de jogos que vale a pena voltar para descobrir todos os segredos e reviver os momentos mais marcantes. A diversão é mais do que garantida, sendo ainda possível expandi-la através site oficial do jogo, que permite que você imprima suas as fotos tiradas durante a aventura e monte seus próprios papercrafts, perfeitos para decorar sua estante.

 

 

 

Prós

  • Mundo de papel interativo
  • Inova nos recursos de jogabilidade do portátil
  • Visual artístico e personagens bem carismáticos
  • Colecionáveis e side-quests adicionam boa longevidade
  • Trilha sonora incrível

Contras

  • Aventura termina rápido demais (cerca de 7 horas)

Publicado por: Ghttp://adrenaline.uol.com.br/rss/0/0/tudo.xml - Continue lendo: http://adrenaline.uol.com.br/rss/0/23/reviews.xml

Tags: , ,