Receba atualizações no seu Facebook. Basta curtir a nossa página abaixo:

 

Sony revela quais smartphones receberão Android 4.4 KitKat

Depois que uma nova versão do Android é anunciada, sempre fica a dúvida: o meu smartphone será atualizado? Pouco a pouco, as fabricantes estão revelando quais modelos vão receber a versão 4.4 KitKat – a bola da vez é a Sony.

Os aparelhos que receberão Android 4.4 são os smartphones Xperia Z, Xperia ZQ (ZL no exterior), Xperia Z Ultra e Xperia Z1, além do Xperia Tablet Z. Todos são modelos high-end.

Na verdade, primeiro todos eles vão receber o Android 4.3 Jelly Bean a partir de dezembro; depois, ainda sem prazo definido, chega o KitKat.

E os outros smartphones? Por enquanto, alguns modelos só têm atualização garantida para o Jelly Bean 4.3. São eles: Xperia SP, Xperia T, Xperia TX, Xperia V e Xperia ZR. Eles receberão o update também a partir de dezembro.

Quase todos os smartphones dessa lista foram lançados este ano (as exceções são o T, TX e V). E a linha do ano passado, como o Xperia S? Bem, parece que a Sony está seguindo a mesma política do Google para atualizações: 18 meses após o lançamento, eles se tornam velhos demais para receberem o Android novo. (O Xperia S foi lançado há 19 meses.)

Quanto às outras fabricantes, a Motorola já divulgou quais aparelhos vai atualizar para KitKat no Brasil; a HTC garante a atualização para o One; enquanto Samsung e LG ainda não revelam detalhes. Nexus 4, 7 e 10 receberão o novo Android “nas próximas semanas”.

O Android 4.4 KitKat traz novidades na interface, maior integração aos serviços do Google, e menor consumo de memória – saiba mais aqui. [Sony via Tecnoblog]

Atualização (16h30): A assessoria da Sony nos informa que “aqui no Brasil, essas informações ainda não foram confirmadas. Quando tivermos notícias nacionais, compartilharemos.”

  • DESTAQUES
  • RELACIONADOS
  • POPULARES


L1030476

Registrando o encontro entre Banksy e Osgemeos, em Nova York


Kindle

15 truques para você usar (de verdade) seu Kindle


9722333407_2dee1f192a_h

Do outro lado do rio: o que está sendo feito hoje para recuperar o Rio Tietê


tietedestaque

Do outro lado do rio: retificações, canalizações e projetos abandonados dos rios de São Paulo


iphone 3gs

TIM começa a vender iPhone 3GS por R$ 999. Vale?


2ef8ad201cc9a27ea026552f321bd9fe

Samsung explica por que Galaxy S não receberá o Android 4.0


500x_vzwiphone2

iPhone da Verizon nos EUA: pode não ser importante para nós, mas é importante


lg thin

Tela 1080p da LG para smartphones é a mais fina do mundo


Pai do ano cria uma prótese de mão para seu filho com uma impressora 3D


Pode parecer impossível, mas cientistas descobriram uma nova parte do corpo


Nas ruas de São Paulo, designers transformam latinhas de catadores em arte


Como apagar a sua existência da internet

Publicado por: Gizmodo - Continue lendo: izmoizmododohttp://feeds.feedburner.com/gizmodobr

Tags: , ,

O mundo ganhou uma arma de metal feita em impressora 3D – e ela funciona

Independentemente de você achar que ela era ou não uma ameaça, a primeira arma feita em impressora 3D não chegava perto das que conhecemos e vemos pelo mundo. Mas este novo revólver da Solid Concept é tão impressionante que nem parece que tudo começou como um arquivo 3D CAD que foi impresso para se tornar real.

Afirmando ser o único serviço de impressão 3D com licença federal de armas de fogo, a Solid Concepts não apenas criou a primeira arma de metal feita em impressora 3D, como também atirou mais de 50 vezes com elas quase sem nenhum dano ao revólver. Por mais que esse marco nas armas de fogo feitas em impressora 3D possa assustar um pouco, na verdade você não deveria se preocupar muito com ela.

Enquanto o modelo feito com plástico impresso em 3D, a The Liberator, era temida por causa do seu potencial de acesso amplo e sem regulação, a impressão 3D com metal – chamado de sinterização direta de metal por laser, ou DMLS – é um monstro completamente diferente. Como Scott McGown, vice-presidente de marketing da Solid Concepts explicou ao The Verge, “Existem barreiras de entrada que vão manter o público distante desta tecnologia por muitos anos”. Não apenas o equipamento necessário é muito mais caro do que qualquer impressora 3D de plástico, como a habilidade técnica exigida não é algo que você consiga aprender lendo um manual.

O que isso prova, no entanto, é que DMLS é uma tecnologia viável com potencial de cumprir tarefas bastante complexas. O fato da arma atirar mais de 50 vezes e ainda conseguir mais diz muito sobre a qualidade dos produtos DLMS; a primeira arma feita com impressão 3D foi abandonada após apenas um tiro. Ainda assim, ao mesmo tempo que não precisamos nos preocupar com algum maluco criando uma arma dessas na garagem de casa, é apenas questão de tempo até essa tecnologia se tornar tão comum quanto esquentar um sanduíche no micro-ondas. [The Verge]

  • DESTAQUES
  • RELACIONADOS
  • POPULARES


L1030476

Registrando o encontro entre Banksy e Osgemeos, em Nova York


Kindle

15 truques para você usar (de verdade) seu Kindle


9722333407_2dee1f192a_h

Do outro lado do rio: o que está sendo feito hoje para recuperar o Rio Tietê


tietedestaque

Do outro lado do rio: retificações, canalizações e projetos abandonados dos rios de São Paulo


Amigos de verdade não usam amigos como alvo para a arma de espuma mais potente do mundo


Porta-copos para fuzil proporciona conveniência enquanto você mata pessoas


WeeP 5 bota Wii Zapper no chinelo


rifle 3d

Veja como funciona o primeiro rifle do mundo feito em impressora 3D


Pai do ano cria uma prótese de mão para seu filho com uma impressora 3D


Pode parecer impossível, mas cientistas descobriram uma nova parte do corpo


Nas ruas de São Paulo, designers transformam latinhas de catadores em arte


Como apagar a sua existência da internet

Publicado por: Gizmodo - Continue lendo: izmoizmododohttp://feeds.feedburner.com/gizmodobr

Tags: , ,

TouchArcade Game of the Week: ‘Meltdown’



The idea behind the TouchArcade Game of the Week is that every Friday afternoon we post the one game that came out this week that we think is worth giving a special nod to. Now, before anyone goes over-thinking this, it doesn’t necessarily mean our Game of the Week pick is the highest scoring game in a review, the game with the best graphics, or really any other quantifiable “best” thing. Instead, it’s more just us picking out the single game out of the week’s releases that we think is the most noteworthy, surprising, interesting, or really any other hard to describe quality that makes it worth having if you were just going to pick up one.

These picks might be controversial, and that’s OK. If you disagree with what we’ve chosen, let’s try to use the comments of these articles to have conversations about what game is your game of the week and why.

Without further ado…

 

Meltdown

This was an especially tough week to choose just one Game of the Week. I had to resist the urge of simply linking to our Wednesday night release post and our Thursday release post and going “Welp, just take your pick, bye!” But, there are lots of weeks where many great games are released, and that would be the easy way out. That said, there was one release this week that we just seemed to kept playing, talking about, and always going back for more. That release is Meltdown [$1.99] from Phenomenon Games and BulkyPix.

meltdownmeltdown

Meltdown is an isometric dual-stick shooter with randomly-generated levels and a slick weapon and character upgrading system. There’s a 30 level single-player campaign to play through, and with each enemy you kill you’ll earn both coins and experience to go towards your weapon upgrading and leveling up. There are two weapon slots and a melee weapon slot, and a nice selection of different weaponry to use. Each of the weapons have their own different skill trees so you can choose which direction you want to go in terms of what aspects to upgrade. Similarly, your character has a few different sets of attributes you can choose to focus on to cater him to your own taste.

Now, listing out the features of Meltdown, it doesn’t seem like it has anything that some other games might have, and that’s definitely true. It’s not reinventing the wheel here or anything. What Meltdown does have is harder to put into words. There’s just… something about it that keeps drawing you in. Getting a pop-up that you’ve leveled up or knowing you’ve gained enough coin to buy that weapon you’ve had your eye on is very satisfying. Also, the enemy AI is actually very good in Meltdown, so it takes a lot of strategy and skill to do well as opposed to some other shooters which feel more mindless.

Besides all that, one huge draw of Meltdown is its multiplayer component. It features up to 4-player cooperative play online, and since it doesn’t rely on Game Center for this, you can very easily drop in and out of games at will. This is a fun game to play by yourself, but throw three buddies in the mix and it’s an absolute riot. There definitely can be some improvement in this area, though, like the ability to host private rooms or invite specific friends. A competitive mode is in the works too, and the prospect of some free-for-all or team deathmatch Meltdown has me salivating.

Our forums have been going pretty nuts over Meltdown since the moment it was released, and after spending a great chunk of the past two days playing myself, I can totally see why. Sure, it looks pretty standard on the surface and there are definitely some rough edges, like a few crash bugs and some weirdness with connecting to multiplayer, but those issues are already being ironed out and in terms of how much fun I’ve had playing a game this week Meltdown trumps the competition. It looks great, it plays great, and it has an excellent online multiplayer. And it feels like it can only go up from here.

Publicado por: TouchArcade - Continue lendo: http://toucharcade.com/feed/

Tags:

Confirmado: iPhone 5S e 5c chegam ao Brasil em 22 de novembro

Esta semana, o jornal O Globo disse que os novos iPhones chegariam ao Brasil ainda este mês. E eles estavam certos: na madrugada do dia 21 para o dia 22, as operadoras vão lançar o iPhone 5c e 5S em diversas lojas do país. E você já pode fazer o pré-cadastro para ser avisado.

TIM e Claro emitiram notas nesta sexta-feira à noite, e ambas confirmam que os novos iPhones estarão disponíveis “a partir da 00h01 do dia 22 de novembro”. O pré-cadastro da TIM pode ser feito aqui; na Claro, siga este link para o iPhone 5c, e este link para o 5S.

Segundo O Globo, os dois modelos serão lançados por Vivo, Oi, Claro e TIM no mesmo dia. Vivo e Oi ainda não se manifestaram.

E o preço? O jornal diz que ele ainda não foi definido, pois “ainda estão sendo acertados os preços… para os planos pós-pagos, que costumam ter desconto”. Mas pode apostar que será um valor justo e em linha com o cobrado em outros países.

Brincadeira! Ele deve continuar bem caro; lembre que, no ano passado, por mais que o iPhone 5 custasse uma fortuna no lançamento, havia filas enormes para adquiri-lo. Por que baixar o preço, se ele está vendendo?

Acreditamos que nem mesmo o iPhone 5c deve ter um preço mais baixo. Inúmeros rumores diziam que ele seria o modelo “popular” da Apple, mas o próprio CEO Tim Cook deixou claro em entrevista que “nunca tivemos o objetivo de vender um celular de baixo custo”.

iphone5s_3

O iPhone 5S é o novo modelo top de linha da Apple. O maior destaque é seu leitor de digitais que realmente funciona: o TouchID permite desbloquear o iPhone e autorizar a compra de apps sem inserir senha. Saiba mais sobre esta função aqui.

Ele traz desempenho rápido com seu processador A7 64-bit, e o novo coprocessador M7 trabalha com os medidores de movimento, como bússola, acelerômetro e giroscópio – só que o acelerômetro não funciona muito bem. E a câmera ainda tem 8 megapixels, porém traz um sensor maior, pixels maiores e flash True Tone para captar cores verdadeiras (em vez de deixar a imagem esbranquiçada). O iPhone 5S custa, nos EUA, a partir de US$ 650 (R$ 1.500).

ku-bigpic (4)

O iPhone 5c, por sua vez, é basicamente um iPhone 5 em um corpo de plástico, nas cores verde, branco, azul, vermelho e amarelo. Ele não dá a sensação de um smartphone barato, pois sua estrutura reforçada de metal lhe confere maior rigidez. Ele também possui uma bateria levemente maior. Nos EUA, ele custa a partir de US$ 550 (R$ 1.270).

E quanto aos novos iPad Air e iPad Mini 2? Bem, esses ainda não têm data para chegar ao Brasil. E se o último lançamento indica alguma coisa, é que eles devem demorar. Quem sabe eles venham junto ao lançamento da Apple Store no Rio de Janeiro, previsto para março?

  • DESTAQUES
  • RELACIONADOS
  • POPULARES


L1030476

Registrando o encontro entre Banksy e Osgemeos, em Nova York


Kindle

15 truques para você usar (de verdade) seu Kindle


9722333407_2dee1f192a_h

Do outro lado do rio: o que está sendo feito hoje para recuperar o Rio Tietê


tietedestaque

Do outro lado do rio: retificações, canalizações e projetos abandonados dos rios de São Paulo


FALA GAROTO!

Paulo Bernardo promete reduzir impostos (e preços) de smartphones de até R$ 1.000 a tempo para o Natal


ubuntuos

Ubuntu vai ganhar versão para smartphones em 2014


accenture

Nokia vai terceirizar desenvolvimento do Symbian


wpmango-walkthrough

[Preview] O próximo Windows Phone: ele é muito bom


Pai do ano cria uma prótese de mão para seu filho com uma impressora 3D


Pode parecer impossível, mas cientistas descobriram uma nova parte do corpo


Nas ruas de São Paulo, designers transformam latinhas de catadores em arte


Como apagar a sua existência da internet

Publicado por: Gizmodo - Continue lendo: izmoizmododohttp://feeds.feedburner.com/gizmodobr

Tags: , ,

Estas células conseguem transformar sinais Wi-Fi em eletricidade utilizável

Desista de roubar o Wi-Fi do seu vizinho para surfar na internet. Usando materiais baratos do cotidiano, pesquisadores da Escola Pratt de Engenharia da Universidade de Duke desenvolveram um dispositivo que consegue converter sinais micro-ondas, como aqueles usados para transmitir a internet sem uso de fio, em eletricidade usável. Então, no futuro, você poderá usar a rede Wi-Fi do seu vizinho para ter energia elétrica na sua casa.

O dispositivo, que pode ser adaptado para captar energia a partir de qualquer coisa, de roteadores wireless, antenas de celular e até mesmo satélites, aparentemente é tão eficiente quanto painéis solares modernos. E conforme a pesquisa continua, a eficiência deve ser melhorada.

original (23)

Uma explicação técnica completa pode ser encontrada aqui (em inglês), mas as coisas importantes a saber são que funciona, e que suas implicações são surpreendentes. Quando forem miniaturizadas, as células poderão ser colocadas em um telefone celular que consegue se recarregar perpetuamente contanto que você tenha sinal. E a capacidade de captar sinais wireless transmitidos de satélites significa que redes de clima e sensores de monitoramento de clima poderão ser distribuídos para as áreas mais remotas do mundo sem exigir uma fonte de energia. Mas o simples fato desta técnica funcionar já é fantástico por si só. [Duke University Pratt School of Engineering via Gizmag]

  • DESTAQUES
  • RELACIONADOS
  • POPULARES


L1030476

Registrando o encontro entre Banksy e Osgemeos, em Nova York


Kindle

15 truques para você usar (de verdade) seu Kindle


9722333407_2dee1f192a_h

Do outro lado do rio: o que está sendo feito hoje para recuperar o Rio Tietê


tietedestaque

Do outro lado do rio: retificações, canalizações e projetos abandonados dos rios de São Paulo


500x_skype-iphone-app

Skype para iPhone agora permite videochamadas — mesmo em 3G


mouse

Primeiro mouse Wi-Fi do mundo tem bateria que dura nove meses


Berkeley Lamp II – ‘A Única Luminária Projetada pela Ciência’: review-relâmpago


Grafeno pode tornar-se a melhor superbateria do mundo


Pai do ano cria uma prótese de mão para seu filho com uma impressora 3D


Pode parecer impossível, mas cientistas descobriram uma nova parte do corpo


Nas ruas de São Paulo, designers transformam latinhas de catadores em arte


Como apagar a sua existência da internet

Publicado por: Gizmodo - Continue lendo: izmoizmododohttp://feeds.feedburner.com/gizmodobr

Tags: , ,